http://picasion.com/
http://picasion.com/

Radio

sexta-feira, 20 de junho de 2014

DRF captura número 1 na lista dos mais procurados do Ceará por explosões bancárias

Os dados de barrinha aparecem na lista dos mais procurados do Estado / FOTO: Reprodução/SSPDS
Os dados de barrinha aparecem na lista dos mais procurados do Estado / FOTO: Reprodução/SSPDS
Uma operação da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF) prendeu o homem mais procurado do Estado do Ceará  por crimes de assalto e explosões a banco e sequestro. A ação ocorreu  durante a madrugada desta sexta-feira (20).
Francisco de Assis foi detido em um supermercado localizado no Passaré, quando fazia compras, portando uma pistola .40. Já na casa do criminoso, também foram apreendidas 28 capsúlas de pistola .40, mais 25 capsulas de fuzil 556 e dois carregadores para fuzil.
De acordo com informações do delegado titular da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), delegado Raphael Vilarinho, “Barrinha’ se assustou com a abordagem da Polícia e tentou fugir, mas foi impedido pela equipe de policiais civis.
A Delegacia de Roubos e Furtos já investigava o suspeito e, há cerca de dois meses, obteve a informação de que ‘Irmão’ estava morando em um condomínio de classe média alta na Rua Rubens Monte, no bairro Maraponga. A Polícia também descobriu que ele possuia armas e munição, então passou a realizar campanas diárias e acompanhar a rotina do procurado.
Francisco de Assis Fernandes da Silva, 38, conhecido como ‘Barrinha’ ou ‘Irmão’ é considerado pela Polícia como o principal criminoso especializado em explosões e roubo a banco. Ele é suspeito de ter atacado a agência do Banco do Brasil do município de Milhã (301 Km de Fortaleza), em julho de 2012.
No mês de abril deste ano, “Barrinha’ ganhou liberdade devido a uma falha na Justiça e saiu pela porta da frente em uma penitenciária de Pacatuba. ‘Barrinha’ também comandado três crimes de sequestro que ocorreram nos anos de 2006 e 2007, em uma das ações criminosas um empresário do ramo de combustível. O suspeito responde na Justiça a mais de 30 processos criminais, sendo a maioria por assalto e formação de quadrilha. A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) e o delegado Raphael Vilarinho não entraram em detalhes sobre a prisão, pois a operação ainda não terminou. por  Fonte: DN.

Nenhum comentário:

Postar um comentário