Radio

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Senado inicia discussão de projeto que universaliza acesso ao supersimples

Brasília - O plenário do senado iniciou nesta quinta-feira (05) a discussão sobre os efeitos do Projeto de Lei da Câmara (PLC 221/12) que universaliza o acesso do setor de serviços ao Simples Nacional (Supersimples), o regime de tributação das micro e pequenas empresas. O debate seguiu após a leitura do relatório pelo senador Eunício Oliveira (PMDB-CE), mas devido a ausência de quórum suficiente para aprovar a matéria (41 senadores), o texto voltará a ser analisado na próxima a semana.

De acordo com Eunício, a medida visa desburocratizar a inclusão de outros setores no regime especial de tributação, resultando na inserção de dois milhões de novas pequenas e micro empresas no programa. “Vamos incorporar, vamos facilitar, desburocratizar, para permitir que dois milhões de brasileiros possam entrar na legalidade através dessa matéria”, defendeu ao encaminhar favoravelmente a matéria.

O peemedebista informou também que a iniciativa irá gerar novas oportunidades e fazer crescer a economia.  “É preciso dá oportunidade de geração de emprego e renda as micro e pequenas empresas que são as que mais geram emprego nesse País e precisam ser valorizadas”, concluiu.

Avanços - O projeto prevê a criação de uma nova tabela para serviços, com alíquotas que variam de 16,93% a 22,45%. Entre os serviços novos que entram nesse regime de tributação estão os relacionados a medicina, odontologia e psicologia.De acordo com o texto, podem participar do Supersimples as empresa com receita bruta anual de até R$ 3,6 milhões.

A medida ainda atribui ao Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) a função de disciplinar o acesso do microempreendedor individual (MEI) e das micro e pequenas empresas a documento fiscal eletrônico por meio do Portal do Simples Nacional e permite às empresas produtoras de refrigerantes, águas saborizadas gaseificadas e preparações compostas não alcoólicas optarem pelo Supersimples.

O projeto também muda o enquadramento de algumas atividades de serviços, como fisioterapia e corretagem de seguros, que passam da tabela de maior valor (tabela seis), criada pelo projeto, para a tabela três, de menor valor dentre as do setor de serviço.

Já os serviços advcatícios são incluídos na tabela quatro; e os decorrentes de atividade intelectual, de natureza técnica, científica, desportiva, artística ou cultural e a corretagem de imóveis são enquadrados na tabela três.

A nova tabela criada pelo projeto entrará em vigor apenas em 1º de janeiro do ano seguinte ao de publicação da futura lei.
Assessoria de Comunicação do Senador Eunício Oliveira

Nenhum comentário:

Postar um comentário