Radio

sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Programa federal Médicos ampliam PSF em Quixadá

Médicos cubanos chegaram em Quixadá e já se integraram às comunidades atendidas no programa.

Quixadá. Curiosidade, alívio e hospitalidade. A primeira semana de atividades dos três médicos cubanos, nesta cidade, ainda nem terminou, mas já é motivo de alegria e elogios mútuos nas três comunidades beneficiadas através do programa Mais Médicos do Governo Federal.

Os profissionais vieram de Cuba para atender em postos de saúde distribuídos em todo o Brasil. No município, os distritos assistidos foram Califórnia, Várzea da Onça e Riacho Verde, situados na zona rural da cidade Foto: Alex Pimentel.

Nos Postos de Saúde da Família (PSFs) da Califórnia, Várzea da Onça e Riacho Verde, distritos da zona rural situados em média a cerca de 20Km do Centro desta cidade, o clima também ainda é de festa.

"Poder contar com assistência médica praticamente na porta de casa também é motivo de tranquilidade para qualquer mãe", avalia a agricultora Maria Anunciada Ferreira olhando da janela de sua casa para o posto de saúde da Várzea da Onça, do outro lado da estrada.

Mesmo assim ainda confessou: "Quando abro a janela todas as manhãs e vejo as portas do postinho abertas ainda olho meio desconfiada. Está sendo muito bom para ser verdade. Coisas assim costumam demorar".

A enfermeira chefe do PSF daquela comunidade, Manuela Cândido, também ficou temerosa no início. "Afinal, não sabia se a realidade da saúde, da forma de tratamento em Cuba, era igual a brasileira", destaca a profissional da saúde que diz ter ficado surpreendida com a humildade da médica Ivete Ruiz Gonzalez. Além de acompanhar suas prescrições também pediu orientação acerca das dosagens.

De acordo com Cândido, o PSF da Várzea da Onça estava sem médico desde abril. "Agora, além da normalização do atendimento médico na unidade básica de assistência à saúde, as visitas domiciliares retornaram e até um posto de apoio de uma das nove localidades do distrito atendidas será inaugurado na próxima semana", completa.

Na comunidade também beneficiada pelo Mais Médicos, a vila do Riacho Verde, a euforia com a chegada de outra médica, Ivette Cristina Vila Mena, continua sendo ainda maior. "Está sendo como ter alguém cuidando de uma enorme família. O posto precisa de alguns reparos, mas o coração da vizinhança, se está batendo mais forte e mais apressado, é de alegria", ressalta a agricultora Lindomar da Silva.

Segundo a agricultora, no início, alguns moradores até olharam desconfiados. "Temiam até terem dificuldade em se comunicarem. Mas as próprias atendentes do PSF da vila estão trabalhando como interpretes. A atenção e a simpatia da médica ajudam a superar essas barreiras".

Ela tinha receio ao receber o primeiro atendimento. O posto de saúde havia ficado sem a assistência de um médico nos últimos três meses. Mas diz que quando a dor aperta, não importa de onde o médico veio e muito menos a língua.

A atendente Eliene Castro confirma a receptividade positiva da comunidade. Além dos 15 atendimentos diários a nova médica está, inclusive, realizando atendimentos fora do horário do expediente.

Sinergia - "Apesar do pouco tempo está surgindo uma afinidade entre ela e os moradores. Por esses motivos a comunidade está acolhendo a médica cubana como se fosse um vizinho antigo. Ela já foi até convidada para participar da tradicional cavalgada do Riacho Verde, programada para o dia 23 de novembro", revela Castro.

De acordo com a secretaria de Saúde de Quixadá, Aída Magalhães, a cidade se inscreveu no programa federal em razão da carência de profissionais da saúde especializados, principalmente para trabalhar nos PSFs.

No caso de Quixadá, os três médicos, um homem e duas mulheres, passaram a atuar áreas rurais consideraras com maior número de habitantes e também sem médicos. "Com o auxílio dos estrangeiros as comunidades estão sentindo mais confiança na saúde pública", destaca.

Segundo a 8ª Célula Regional de Saúde, além de Quixadá, Quixeramobim, Ibaretama, Solonópole, Piquet Carneiro e Deputado Irapuan Pinheiro foram beneficiadas na 2ª etapa do programa Mais Médicos no Ceará.

Mais informações: Secretaria de Saúde de Quixadá, Endereço: Rua Professor Júlio Holanda, S/N, Alto São Francisco, Telefone: (88) 3412.0788
Alex Pimentel Colaborador.

Três Anas vão compor as equipes em Canindé
Novas profissionais foram recepcionadas pelas autoridades do município. Segundo observaram, o trabalho tem semelhanças às atividades que já desempenhavam em seu país de origem Foto: Antônio Carlos Alves.

Canindé.Três Anas e um só objetivo: levar a saúde aos Sertões de Canindé. A coincidência nos nomes não é à toa quando o propósito é o mesmo. Elas vieram de Cuba para prestar serviço no Programa Saúde da Família neste município. Por isto foram recebidas com festa pelas autoridades locais.

Elas foram recepcionadas pela secretária de Assistência Social, Maria Hidelvanice Santos Soares Sampaio, o vice-reitor da Universidade Estadual do Ceará (Uece) Hidelbrando dos Santos Soares e um grupo de amigos.

As médicas Ana Iris, Ana Maria e Ana Luz irão fixar residências nas comunidades de Salitre, Varzante do Curu e Targinos, iniciando uma nova gestão, um novo modelo de fazer Medicina Comunitária.

Segundo elas, a hospitalidade do povo de Canindé, chamou a atenção, porque todos querem conhecer melhor seus trabalhos. Ana Maria disse que já esteve na Venezuela e agora no Brasil. "Fizemos um pequeno curso de Português de um mês em Fortaleza, mas já dá para assimilar bem a fala desse povo humilde igual a nós", disse Ana Maria.

Já Ana Iris afirmou que depois da formação profissional, elas passam dois anos como médicos do interior em seu país, o que facilita o trabalho com as comunidades de base.

Já Ana Luz lembra que sua vinda para o Brasil irá garantir melhor conhecimento com uma gente muita parecida com a de seus conterrâneos. Lá, todo mundo vive um regime muito parecido com o dos moradores do sertão cearense. A única diferença é que a saúde e a educação é uma obrigação de governo.

Novo conceito - Na visão da secretária de Assistência Social, Maria Hidelvanice, as médicas irão mudar o conceito de atendimento para o povo. Cuba ajuda o Brasil e o Canindé precisa disso´´, afirmou Vanuza, como a secretária é conhecida na cidade.

Ela observa ainda que o Brasil é um País de economia forte, mas atrasado em relação à saúde comunitária. "O jovem pobre nunca terá oportunidade de ser médico, porque os cursos são muito caros. O Programa Mais Médicos é a necessidade da sociedade brasileira que deixará de existir quando o Brasil ampliar o acesso à Universidade para os cursos de Medicina, isso de forma gratuita".

O advogado Antônio José, um dos principais articuladores para inclusão do município no programa federal, destacou a abertura da prefeitura para a iniciativa. "Enquanto muitos ficam colocando dificuldades para vinda dos médicos, Canindé está de braços abertos e pedindo ao governo federal que mande mais médicos para região. Se depender dos nossos esforços junto ao prefeito de Canindé, Celso Crisóstomo, nós iremos conseguir mais profissionais".
Antônio Carlos Alves Colaborador

ENQUETEComo avalia a chegadas dos médicos?
"A gente se sente bem mais tranquila tendo alguém para cuidar da saúde da gente e perto da nossa residência. Eu só não imaginava que vinha alguém de tão longe para socorrer a gente" Wagna Regiane Lima Dona de casa

"Agora, quem trabalha na roça não se preocupa mais em sair de sua casa cedo e ainda ter que voltar com alguma dor no corpo. Sempre vai ter um médico para fazer consulta o dia inteirinho"João Bosco Guerra Agricultor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário