Radio

quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Efeitos da seca Milhã: contrata carros-pipa para abastecimento local

Algumas famílias colocam a caixa-d´água na calçada para facilitar a entrega do recurso hídrico pelos caminhões. A situação é de emergência FOTO: ANTONIO ELÂNIO
Milhã Assim como diversas cidades do Nordeste, a população deste município também está sofrendo com a falta d´água. Além da zona rural, quem mora na sede também está dependendo dos carros-pipa. O Açude Jatobá, responsável pelo abastecimento da cidade, secou. Para amenizar a situação, o prefeito recentemente empossado, Otacílio Macedo, contratou caminhões e até carretas para fornecerem água para os moradores. Agora, todo dia despejam água na estação de tratamento do Sistema Autônomo de Água e Esgoto (Saae) para abastecer o Centro da cidade pela rede. Na periferia, onde a água não chega, há correria para as portas das casas com baldes, de todos os tamanhos. Alguns colocam até caixas d´água nas calçadas, para receber os carros-pipa.

Não bastasse os problemas enfrentados no início de sua administração, por falta de recursos econômicos e sucateamento dos bens públicos do município, segundo o prefeito, desde o dia 20 de dezembro, o abastecimento feito pela Defesa Civil do Estado, foi paralisado. A despesa mensal com a operação emergencial de fornecimento de água deve chegar a R$ 200 mil. Ele disse que, caso o Governo do Estado não assuma, será obrigado a optar entre o pagamento dos servidores ou dos pipeiros.

Otacílio Macedo reclamou ainda da destruição de uma adutora inaugurada em 2002, ligando o Açude Patu, em Senador Pompeu, a Milhã. Ao longo dos anos, a tubulação, motores e até os transformadores desapareceram, na extensão de 20km. Cerca de 3km de tubulação também sumiu. "Isso é revoltante. Nossa população não estaria sofrendo tanto se não houvesse falta de zelo com o patrimônio público", afirmou o prefeito.

O ouvidor no município, Francisco Trajano de Almeida Filho, mais conhecido como Titico, apontou a restauração da adutora do Açude Patu como a alternativa mais viável para solucionar o problema do abastecimento de água da sua cidade. Segundo ele, técnicos do Estado já fizeram os estudos e o orçamento. Serão necessários R$ 510 mil.

Atualmente, o Açude Patu está com 41,85% de seu volume, ainda considerado satisfatório segundo a Cogerh. Dos 139 açudes monitorados pela Companhia, 64 deles estão com volume hídrico inferior a 30%. Apenas um, o Gavião, na Região Metropolitana de Fortaleza, está com nível superior a 90%. O Patu tem capacidade para 87.391.185m³. Abastece a cidade de Senador Pompeu e distribui água para projetos de irrigação na região.

Acerca do abastecimento emergencial da cidade de Milhã, o coordenador da Defesa Civil do Ceará, coronel Sílvio Tavares, disse estar sendo normalizado nos próximos dias. Segundo ele, a paralisação ocorreu em razão da falta do repasse dos valores para a empresa contratada pelo serviço de transporte da água. Houve apenas um problema administrativo em razão da mudança do cartão de pagamento, emitido pelo Ministério da Integração, conforme explicou. Como o modelo é novo, o Banco do Brasil não estava realizando a transferência do dinheiro para a conta da empresa. "Estaremos reunidos com o Comitê da Seca na próxima segunda-feira. Vamos esclarecer o problema e buscar outras alternativas".
Fotos Album Antonio Elanio.

ALEX PIMENTEL - COLABORADOR 
Leia mais no Diário do Nodeste caderno Regional.

Nenhum comentário:

Postar um comentário